0

RESENHA: Até o Último Homem

Depois de um bom tempo longe, estou de volta. E dessa vez, quero compartilhar com vocês um filme que me emocionou de diversas formas; Até o Último Homem. O filme está disponível na Netflix e foi premiado no Oscar em duas categorias. Sem mais delongas, vamos à resenha:

AUH

Desmond Doss (Andrew Garfield) é um adventista que mora com seus pais e irmão. O rapaz ao ajudar um acidentado e levá-lo ao hospital, se depara com uma jovem enfermeira, Dorothy Schutte (Teresa Palmer), e se apaixona por ela. Os dois iniciam um lindo romance até que Desmond, ao ver outros jovens rapazes se alistando no exército, decide que fará o mesmo. Com isso, os dois se despedem com a promessa de que, na primeira folga dele se casariam.

No exército, Desmond passou por todas as etapas para ser aceito, exceto uma; o rapaz se negou a pegar uma arma e matar pessoas, por ser um dos maiores pecados. Com isso, todos começam a zombar e humilhá-lo por sua decisão. Ao tentar mandá-lo de volta pra casa, através de um julgamento por mal comportamento, seu pai, que já havia servido o exército, consegue uma carta de um general permitindo que Desmond se alistasse sem armamento. Dessa forma, Doss fica responsável por socorrer e resgatar os soldados feridos na guerra.

Na batalha de Okinawa, Desmond se depara com todo o horror de homens sendo explodidos e mortos em questão de segundos. E mesmo com todo o terror, socorreu todos que pediram por sua ajuda. Quando todos que conseguiram sair dali andando desceram o penhasco de 120 metros de altura, Doss permaneceu lá procurando por sobreviventes e com a força de seu corpo, sozinho (e com a fé em Deus), o jovem resgatou 75 homens. E a todo momento ele pedia que Deus ajudasse que ele salvasse mais um e quando conseguia, pedia que o ajudasse a salvar mais um.

O filme mostra a fé de um homem que foi humilhado e apanhou no exército por ter sua crença. Porém, quando Desmond salvou todos aqueles homens, sem desistir de nenhum, todos os soldados sentiram gratidão por tê-lo por perto e afirmavam que só iriam à guerra se Desmond Doss estivesse presente.

Agora choquem, o filme é baseado em fatos reais. Sim, eu também não acreditei. Por este motivo, eu amei o filme dez vezes mais. Espero que tenham gostado da resenha e que assistam.

Beijo no coração. ❤

Anúncios